Cuidados com uma Chinchila

As chinchilas, cujo nome científico é Chinchilla lanigera da família Chinchillidae, são originárias da Cordilheira dos Andes. Estes animais também eram encontrados na Bolívia, Argentina, Chile e Peru, mas atualmente estão presentes em todo o mundo devido à grande busca por sua pele para a confecção de roupas e acessórios. No Brasil, as chinchilas são adquiridas como animais de estimação.

Mas cuidar de uma chinchila não é como cuidar de um cão ou de um gato, que são animais domésticos a que estamos acostumados a lidar. Elas exigem maiores cuidados devido às suas necessidades especiais e diversas condições para condicioná-los à vida em sua casa. Você pode conferir quais são eles através da leitura deste artigo, confira abaixo.

Dicas Iniciais 

Todo e qualquer cuidado de que sua chinchila necessite, é importante que seja feito por um veterinário especializado. Elas podem se ferir, estressar ou mesmo ter inflamações no decorrer do tempo se não estiver sob condições propícias e agradáveis. Evite insistir em dar carinho a ela caso não queira, isso pode estressar o animal e fazer com que aja agressivamente, podendo dar mordidas e causar pequenos ferimentos no dono. Com o tempo, dê carinho e deixe que ela se acostume com você.

Gaiola

É indicado que a gaiola seja feita de aço galvanizado ou mesmo de madeira, para deixar a chinchila mais calma e segura nos primeiros dias em contato com o novo ambiente. Elas precisam de equipamentos corretos para comer e beber, como um bebedouro específico para chinchilas e um comedouro preso à gaiola para evitar sujeira e, consequentemente, doenças. A gaiola também não necessita de rodinhas ou brinquedos que frequentemente são usados por hamsters: elas podem viver em uma gaiola sem adornos. Ainda assim, é importante que ela tenha uma toca para dormir, que pode ser de madeira ou mesmo de pano.

Alimentação

Sendo um animal herbívoro, evite dar a ela carnes e demais alimentos que não os próprios para a espécie. Sementes oleaginosas também não são indicadas, nem mesmo raízes. Dê preferência a rações peletizadas e alimente-a com alfafa em cubos ou mesmo em ramas. Cuidado com o excesso de petiscos (como frutas secas, por exemplo) que podem causar diarreias e muitos outros problemas para com a saúde do bichinho. Suplementos alimentares também podem ser feitos, mas peça ajuda ao veterinário ou ao vendedor para saber melhor como alimentar sua chinchila.

Higiene

A forração da gaiola deve ser feita com uma destas: granulado orgânico (feito de espiga de milho ou celulose), maravalha (serragem de pinus) ou a areia higiênica adequada a roedores (ou mesmo a areia para gatos). Se possuir apenas uma chinchila, troque uma vez na semana. Devem tomar banho de 2 a 3 vezes por semana utilizando pó de carbonato de cálcio próprio para banho.

Cuidados Adicionais

Se tiver a intensão de criar os animais com o intuito de reproduzir, busque pelo sistema ideal para o mesmo. Respeite o horário de brincar e de descanso deste animais e visite frequentemente um veterinário para saber se está tudo bem. Caso note problemas com sua saúde, vá imediatamente a um.

Como viajar com animais de estimação

Para que você saiba mais sobre como viajar com animais de estimação, entenda que esse é um assunto certamente que sempre preocupa aqueles que possuem cão ou gato em casa e está prestes a realizar uma viagem.

Normalmente, seja para um passeio ou uma viagem de forma definitiva, viajar com animais de estimação pode envolver diversos trâmites e necessita de um planejamento antecipado.

Com isso, antes de realizar uma viagem com o seu animal de estimação, seja de carro, avião ou ônibus, é necessário que primeiramente você procure conversar com o veterinário, onde o mais ideal é que ele procure examinar o pet para ter certeza se está tudo bem com a saúde dele.

Saiba mais sobre como viajar com animais de estimação

Se você deseja de mais informações sobre como viajar com animais de estimação, saiba que um fator que você sempre deve conversar com o veterinário é em relação aos enjoos, os quais são sempre comuns em viagens.

Com isso, o veterinário irá poder recomendar algumas medidas de prevenção para que o seu animal de estimação nunca passe mal durante todo o trajeto da viagem.

 

Em relação as viagens de avião com animais de estimação, essa nunca é uma tarefa simples, porém, nos dias atuais é totalmente viável, em que se necessita de um pouco de planejamento, adaptação do animal e cumprimento de certas exigências por conta das companhias aéreas.

Dessa forma, é essencial que você sempre avalie todas as condições do seu animal de estimação antes de tomar a decisão de leva-lo com você na viagem, e sempre busque por um veterinário.

Independentemente se o seu animal de estimação seja calmo, ou por mais que ele seja bem acomodado durante a viagem, os voos serão sempre um fator de estresse e, por isso, uma dica é que você programe voos diretos e que apresentem trajetos mais curtos.

Geralmente, isso pode reduzir muito a ansiedade dos animais de estimação, além ainda da chance de ocorrer a desidratação e outros riscos de saúde que os animais podem correr em uma viagem de avião.

No entanto, nos dias atuais, existem inúmeros equipamentos que podem ajudar no transporte dos animais de estimação, os quais além de deixa-los bem mais seguros, os deixam também mais confortáveis.

Em relação aos cães e gatos pequenos, o mais indicado é que se faça o uso de caixas que são próprias para o transporte, sendo essas conhecidas como kennel. Já no caso de animais maiores, o indicado é uma coleira que se adapta ao cinto de segurança.

Quanto as viagens de carro, o cinto de segurança para os animais de estimação no banco de trás do carro é extremamente importante quanto aqueles que se encontram na frente, pois caso ocorra uma eventual colisão, o corpo do animal pode acabar sendo projetado contra o banco do motorista e causar muitos danos.

 

Confira abaixo algumas dicas para realizar uma viagem com animais de estimação

  • Nunca dê ração ou outro alimento para o seu animal pelo menos quatro horas antes de realizar a viagem, e quanto a água, a regra deve ser sempre uma hora antes.
  • De uma em uma hora procura parar o carro e desça com o seu cão para que ele faça as suas necessidades fisiológicas.
  • É sempre obrigatório que você leve a carteira de vacinação e um atestado de trânsito que seja emitido por um veterinário.
  • Nunca leve o anima de estimação solto e nem com a cabeça para fora, em que tal regra serve ainda para qualquer raça ou tipo.
  • Procure levar fraldas veterinárias, caso a viagem seja de avião ou ônibus, o que pode facilitar a sua vida e evitar que ocorra algum desastre durante a viagem.

Sendo assim, a ideia de levar o seu animal de estimação com você em viagens, é sempre uma ideia incrível, porém, ela só irá ser boa na prática se o seu animal se encontrar confortável com a situação.

 

Portanto, é interessante sempre ter conhecimento sobre como viajar com animais de estimação, em que você pode avaliar que talvez ele queira ou não viajar ou então apresente certos comportamentos indesejados, e com isso, é preciso que você repense em levar o seu animal de estimação com você.

Como saber se o cachorro está sentindo dor?

Uma das preocupações de muitos tutores é em relação às dores que os cachorros podem sentir, e sentem, e como conseguir diagnosticar. Realmente essa não é uma tarefa fácil, mas neste texto iremos lhe ajudar apresentando alguns sinais.

De maneira indireta é possível ver que o cachorro está com dor, ou com algum desconforto. Os cachorros, dependendo da raça costumam ser bem resistentes, e por isso, se a dor for forte, eles vão acabar expressando de alguma forma.

Agressivos: alguns cães quando estão com dor podem acabar se tornando agressivos. Mas normalmente essa dor pode ser oriunda de uma cirurgia, por exemplo, quando o tutor encosta no lugar da dor. O cão se sente incomodado e pode tentar atacar, até mesmo o dono. Não que cachorros agressivos sejam sinônimos de cães doentes, mas quando você tem um cão amoroso e perceber que ele ficou agressivo, em decorrência de algo, ele ainda pode estar com dor.

Uivo alto: o uivo alto e diferente do uivo que anuncia algo estranho na moradia, também expressa que o cachorro possa estar com dor. Se algo já lhe ocorreu e ele continua uivando, indica-se levar para ao médico veterinário.

Postura estranha: quando o cachorro começa a ter uma postura estranha, sentando-se de forma que você não viu antes, ou até parece que evita encostar alguma parte do corpo no chão ou móveis, está na hora de levá-lo para um consulta com o veterinário para examinar se está tudo bem com ele.

Expressão pouco familiar ou triste: se você notar que o cachorro está pouco familiar, mais triste em seu canto, ele pode estar dando sinais de que algo não está bem com ele. Nesta hora, verifique-o, de carinho, e qualquer dúvida leve ao veterinário.

Mudança de comportamento: se o cachorro mudou bruscamente de comportamento, também é sinal que ele esteja com dor. Na dúvida não deixe de consultar o médico veterinário.

Perda de apetite: a maioria dos cachorros tem um apetite aguçado, e se você observar que de repente o seu cachorro não está mais com tanto apetite, ele pode estar com dor ou doente.

Lambidas em determinado lugar: se você verificar que o cão se lambe com frequência em determinada parte do corpo, pode estar expressando que aquela região tem dor.

Estes foram alguns dos sinais. É preciso sempre ficar atento ao comportamento do seu cachorro. E quando estranhar algo, não deixe de levar ao seu médico veterinário! Boa sorte!

Tosar em casa: quais os cuidados?

Quem tem cachorro em casa sabe que o banho e a tosa são fundamentais para o seu bem estar e higiene. Mas nem todos levam os pets para a pet shop para o banho e a tosa. Por isso, preferem fazer a higiene em casa. Mas será que eles proporcionam toda a segurança para os seus bichinhos de estimação?

O banho pode ser dado em casa de forma tranquila. Já a tosa exige alguns cuidados. Se você se sente inseguro e pretende fazer a tosa de seu pet, o aconselhável é fazer um curso de tosador para ter conhecimento de algumas técnicas e assim se sentir mais capacitado.

Cuidados: tosa em casa

Para fazer a tosa em casa é importante ter a disposição alguns materiais como: escova, rasqueadeira, tesoura e máquina. As máquinas de uso profissional possuem um valor mais elevado, pois são utilizadas pelos profissionais nas pet shops. Mas você pode comprar outras por um valor mais acessível. Claro que as máquinas com valor elevado são menos barulhentas.

Já algumas tesouras você poderá comprar em sites de variedade de pet shop. Você poderá encontrar diversas tesouras indicadas para algumas raças e determinado tipo de pelo.

 

Para os cães com pelagens mais longas o mais indicado é a máquina. A tesoura acaba sendo utilizada mais para os acabamentos finais. O cuidado aqui é em relação à lâmina correta que deverá ser feita na altura ideal. Outro cuidado é para que a máquina seja limpa e esterilizada.

Muitos pets até preferem ser tosados em casa, pois se sentem mais confortáveis com seus donos. Alguns também ficam estressados pelo simples fato de saírem de casa e irem para o pet shop.

Raças e cuidados

Algumas raças exigem mais cuidado que as outras. Nestes casos o mais indicado é levar para um profissional na pet shop tosar. Ele tem conhecimento e vai saber como deverá ser realizada a tosa. É importante saber que a pele dos pets é bem sensível e qualquer descuido pode acabar machucando seu bichinho de estimação.

A tosa pode ser feita de tesoura ou máquina, mas vai depender muito do tipo de pelagem do cão. Neste momento é importante que você faça de forma uniforme e atente para não deixar falhas.

Algumas raças precisam de tosa constantemente como: poodle, Lhasa Apso e Shih-tzu. Nestas raças você pode fazer a tosa leão, tosa carneirinho, tosa bebê, Tosa Schnauzer entre outras.

Dicas gerais

  • Quando for tosar faça com calma e observe como está a pele do seu bichinho. Se por acaso há feridas ou alergias;
  • Depois do banho e da tosa recompense seu pet com uma comidinha ou com seu brinquedo favorito;
  • Observe se na pelagem não há pulgas ou carrapatos;
  • Se o cão não parar quieto é melhor contar com a ajuda de alguém e se você não se sentir seguro é melhor não realizar a tosa.

Alimentos tóxicos em cães e gatos

ALIMENTOS TÓXICOS EM CÃES E GATOS

Todos nós donos de cães e gatos, sabemos bem o quanto se torna difícil negar um alimento ao nosso animalzinho, ainda mais quando fazem aquela carinha de “por favor me dá”. Mas atrás de alimentos “aparentemente inofensivos”, existem vilões na saúde do seu animal. Como por exemplo miolo de pão, esse pode se expandir no estomago do seu animal e provocar fortes dores.

Muitas pessoas tem costume de dar aquela cebola refogada com gostinho de carne para seu bichinho, sem saber que o consumo desse alimento em excesso, pode causar uma anemia hemolítica, em função de uma substancia encontrada na cebola, o tissulfato, que é tóxico à cães e gatos. Uma pequena quantidade de cebola, tanto refogada, desidratada ou crua, pode ser prejudicial ao seu animal. Cerca de 5g em gatos e de 15 a 30 g de cebola para cães, já é o suficiente para causar alterações hematológicas.

Assim como a cebola, o alho também é tóxico, é comum darmos restos de comidas para nossos animais, muitas vezes aquele arroz temperado com alho. Em grande quantidade o alho no organismo do seu pet, pode causar destruição de células vermelhas resultando em uma anemia. Existem muitos remédios para cães e gatos contendo alho, porém, em quantidades baixas não é prejudicial, lembrando que os remédios tem uma quantidade exata, garantindo a segurança da saúde do seu animal.

Frutas como abacates e uvas devem ser evitadas, a primeira possui uma toxina fungicida inofensiva para humanos, mas nos cães e gatos pode causar desde vômitos a parada da digestão, podendo ser fatal. A uva por sua vez, pode causar insuficiência hepática e renal, e pequenas doses podem levar a morte do animal.

Segundo pesquisas de PELUSO & TUDURY 2010, o chocolate é o maior causador de intoxicação, por conter a teobromina e a cafeína (presente também no café), pertencentes ao grupo das metilxantinas. Essas substâncias podem causar vómitos e diarreia, sede e urinação excessiva, hiperatividade, ritmo cardíaco anormal, tremores, convulsões, coma e até a morte.

Existe uma lista enorme de alimentos que podem causar intoxicação em nossos bichinhos, por isso, sempre a melhor opção é a ração. Pois esta já é balanceada, com ingredientes ideais para nossos pets. Em caso de dúvidas sempre procurar por um Médico Veterinário ou um Zootecnista, esses poderão lhe indicar a melhor ração para animal.

5 brincadeiras para fazer com filhote de cachorro

Quem adotou ou comprou um pet pode se preparar que algo que eles gostam muito é de brincadeiras. E independente das raças e tamanhos, os cachorros realmente adoram brincar!

E quando for com o dono, melhor ainda. Pensando em você e no animal de estimação é que selecionamos 5 brincadeiras para vocês se divertir! Mas antes de apresentar quais são as brincadeiras, conheça os benefícios que elas proporcionam ao animal:

Benefícios das brincadeiras

  • Melhora a atenção e as habilidades naturais de cada animal;
  • Proporciona um desenvolvimento ideal dos ossos e articulações para os filhotes;
  • Estimula o bom funcionamento do organismo, melhora o equilíbrio e a lubrificação das articulações;
  • Ajuda na socialização e interatividade com os donos e outros pets, tanto para os filhotes quanto para os animais adultos;
  • Proporciona entretenimento, distração, evita o estresse e a depressão;
  • Ajuda a controlar os vícios destrutivos de alguns animais mais ativos;

Brincadeiras com filhote de cachorro

1- Atirar a bolinha para ele ir buscar: é difícil um cachorro não gostar de bolinhas. A bolinha é uma ótima brincadeira para você se entreter com ele. Atire-a quantas vezes quiser e ele busca. Ele pode até não entender logo, mas depois sai brincando e fica muito feliz!

2- Pula-pula – outra brincadeira é o pula-pula. Para brincar você pode pegar qualquer objeto que ele goste, estique a mão até o alto e o incentive a pular para pegar. Assim que ele alcançar sua mão pule para dificultar e, caso ele consiga, de um prêmio como um biscoito ou um novo brinquedo.

3-Comandos – Sim! Essa também pode ser uma brincadeira e ainda pode deixá-lo mais obediente. A brincadeira com comando é ótima para distrair o animal.

Você pode ensinar diversos comandos como, por exemplo, sentar, levantar, rolar e deitar. Aproveite e mostre para ele como se faz. Assim ele vai tentar lhe imitar. Mas muita paciência. Nada de ficar estressado ou tentar bater no bichinho se ele não entender. Lembre-se: ele é filhote!

4-Brinquedos mastigáveis: infelizmente quando são filhotes os cachorrinhos adoram mastigar e morder tudo que veem pela frente. Desde objetivos como cadeira e até a nossa mão.

Por isso, uma dica é dar brinquedos de borracha pra ele. Isso além de ajudá-lo a entreter vai também amenizar o desconforto com o nascimento dos dentinhos nascendo. Você pode perguntar nos espaços veterinários quais opções tem. Inclusive em nossa loja virtual há uma série de brinquedos disponíveis pra ele.

5-Brincar de esconder: os cachorros adoram quando seus donos tentam se esconder deles. Eles ficam bem animados tentando os encontrar. Experimente essa brincadeira também!

 A importância das brincadeiras para cachorro

As brincadeiras não são em vão. Elas são importantes não só para o animal como também ajudar a reforçar os laços entre tutor e pet, e o deixam mais feliz e ativo.

Principalmente cachorros que ficam muito tempo sozinho, tanto dentro de casa como em apartamento, é tão importante passear com ele na rua, mas também fazer atividades divertidas.

Neste momento de brincadeira é a hora que dono e pet estão sintonizados. O animal também sente que está recebendo atenção do tutor e isso vai deixá-lo feliz e com a sensação de que é amado.

As brincadeiras são importantes, mas os cuidados durante elas também. Se for dentro de casa, cuidado para não se machucarem ou quebrarem alguns objetos.

Tente ter paciência ao brincar com o pet. Nem sempre eles podem entender, e quando você perder a paciência ou já estiver cansado, pare.

Além de todos os cuidados básicos com a saúde que um animal de estimação merece, as brincadeiras tem uma importância muito grande. Não é que você tenha que brincar sempre, mas uma atenção é bem vinda!

Pesquisas já mostraram que cachorros que interagem com seus donos e outros pets são mais dóceis, sociáveis e receptivos às aulas de obediência. Percebem a importância?

Não é necessário brincar muito, o ideal é ter diariamente pequenos momentos dedicados ao seu pet. Você pode ter certeza que ele vai amar!

Técnicas de adestramento de gatos

Você já tentou e parece que o seu gato insiste em subir em um local que você não aprova? Realmente adestrar gato não é tarefa fácil.

Deixamos aqui bem claro que não queremos que os gatos deixem de ter a pureza e leveza que eles têm, mas apenas dar dicas de adestramento para que você possa sair de casa e retornar sem nenhuma surpresa desagradável.

Será que é possível? Talvez seja,  e dá pra tentar! E primeiro, vale ressaltar que adestrar um gato é diferente de cachorro. Por isso, esqueça broncas, é preciso paciência, muito amor e quem sabe você consegue deixá-lo menos aventureiro, se este for seu objetivo, claro!

O que não fazer

Se você não se importa que o seu gato faça as necessidades fora do lugar, ou suba em todos os móveis e derrube as coisas, ou ainda, que destrua móveis de sua casa, então nem precise ler este texto! Que bom que você não se importa.

Agora se você ama seu gato, mas ama muito, mas fica estressado quando ele faz a necessidade fora do lugar, ou quando fica subindo pelas estantes e colocando em risco algum bibelô que você goste, então continue lendo o texto.

Os gatos domesticados quando ensinados desde filhote são fáceis de adestrar. Porém, se o seu gato tiver um histórico mais selvagem fica realmente mais difícil.

É como se quiséssemos transformar ele em outra coisa, pois está na natureza de um gato selvagem escalar em objetos, passear, fugir.

Os gatos com histórico mais selvagem são aqueles que vivem no interior, e são criados de maneira mais livre. Então uma dica: dificilmente você terá sucesso em adestrar um gato do interior se levá-lo para cidade!

Claro que isso pode depender bastante, mas não adianta ir contra a natureza dos gatos.

Mas voltando ao assunto sobre o que não fazer, uma dica é não ficar dando broncas ou batendo no gato! Isso vai torná-lo agressivo, e por falar em gatos agressivos tenha muita paciência.

Nada de ficar gritando com ele, o gato precisa de tempo. Vá com calma. Eles são muito inteligentes e são capazes de entender o que você quer dizer. Não é necessário bater.

E quando ele estiver distraído ou brincando não adianta ensinar algo, falar ou mostrar. Ele não vai acabar dando muita atenção. Lembrando que o gato não gosta tanto de agradar o seu dono e dificilmente será obediente apenas por vontade própria.

Técnicas de adestramento gatos

 Fazer necessidades no lugar certo: deixe a caixa de areia em um lugar silencioso e que ele possa se sentir bem.  Verifique se o acesso à caixa é fácil. Nunca coloque a caixa em um local alto, caso o gato tenha dificuldades para escalar, ou seja, velho.

A dica é manter a caixa de areia sempre limpa. Os gatos são muito higiênicos e bem mais fáceis de ensinar do que os cachorros. Ele vai fazer as necessidades fora da caixa por algum motivo. Pode ser que esteja brabo com você e quer chamar a atenção, a caixa está suja, ou de difícil acesso.

Treinando um gato parar de arranhar mobílias: é uma tarefa bem difícil porque eles têm o instinto e vontade de arranhar as unhas.

A dica principal é comprar um arranhador de gato desde que é filhote. Brinque próximo ao arranhador e mostre que ele pode arranhar. Aos poucos ele se sentirá a vontade para arranhar.

Alguns gatos gostam de tapetes para arranhar. Vale a pena investir em caixas, eles gostam muito.

Para de morder: é muito comum quando os gatos são filhotes eles morder durante as brincadeiras. Mas enquanto você brinca com ele pode ensinar e sabe como? Se finja de morto ou pare de brincar. Assim, ele vai começar a compreender que a brincadeira não vai ocorrer quando você não quer.

Não subir no balcão: muitos gatos tem o instinto de subir no balcão principalmente se você deixa a comida em cima. A dica é evitar deixar comida no balcão e também deixar este ambiente mais desagradável. Como?

Coloque fita dupla-face em um dos lados de alguns jogos americanos de plástico. Isso torna a experiência para o gato mais desagradável e ele não vai acabar fazendo mais. Experimente!

Ensine a palavra “não”: ensine desde pequeno a palavra não. A palavra deve ser expressa para coisas erradas, como morder, subir em locais proibidos, arranhar móveis, fazer necessidades fora do lugar. Nada de bater no gato, tenha bastante paciência.

Para colocar coleira: a dica é começar a colocar a coleira desde filhote. Assim eles se acostumam mais fácil. A coleira é interessante para quem sai com frequência e quer levar os gatos. Mas lembrando de que eles são diferentes dos cachorros, gostam de estar em casa!

Dicas para entreter

  • Brinque bastante com ele, utilizando bolinhas ou outros objetos próprios para brincadeiras com felinos, e sempre o incentive a utilizar arranhadores. As caixas e sacolas são as preferidas de muitos gatos;
  • Tenha paciência. Os resultados não chegam de uma hora para a outra, mas com certeza chegam!
  • Não lhe dê atenção quando ele se comportar mal em um momento de brincadeira;
  • Não perturbe as rotinas dele;
  • Você pode comprar os brinquedos para gatos vendidos em pet shop;

Quando ele aprontar, uma dica é respirar fundo, dê uma volta, mas não saia batendo ou gritando com ele. Na hora ele vai sentir, mas vai ficar mais revoltado.

Lembre-se que carinho e amor são ingredientes indicados, e para adestramento não seria diferente. E outra coisa: não compare os gatos.

Assim como filhos cada gato tem a sua personalidade. Cabe a você observar e estar aberto ao que o seu felino pode lhe mostrar.

Nós garantimos que eles podem lhe surpreender de forma positiva!

Zoonoses – Existem doenças que podem ser transmitidas por cachorros?

Muitas pessoas se preocupam com as doenças que os gatos podem passar, mas acabam se esquecendo de que os cachorros também podem transmitir doenças. E para tirar as dúvidas sobre o assunto continue lendo o texto.

Primeiro você precisa saber que os cachorros podem transmitir doenças quando eles não são tratados. Ou seja, zoonoses são as doenças naturalmente transmissíveis entre os animais e o homem. Para a prevenção é fundamental cuidar da saúde de seu pet. A transmissão pode ocorrer por carrapatos, ácaros, mosquitos, além de parasitas intestinais.

Zoonoses: cuidados e como evitar!

Os cachorros também podem transmitir doenças comoMicose, Leptospirose, Raiva e Ancilostomose. Mas você não precisa ficar com medo. Basta cuidar bem do seu cachorro que ele não irá transmitir essas doenças. Por isso, se recomenda levar ao médico veterinário para ele realizar todas as vacinas e exames. Importante também dar banho no cachorro, além de ter boas práticas de higiene.

Outra dica é o cuidado ao manipular com as fezes do animal. Aconselha-se a usar luvas ou um saco plástico quando for pegar as fezes e depois jogar no lixo. Em seguida lavar as mãos é fundamental. Se o cachorro estiver machucado, cuide para ele não ficar lambendo as suas feridas.

Produtos recomendados

Para o tratamento de zoonoses recomendamos o uso de alguns produtos.

Agroplus 100ml e 250ml: aconselhado para o tratamento de infecções de origem bacteriana causadas por microorganismos sensíveis à ampicilina e à colistina em bovinos, ovinos, caprinos, suínos, equinos, caninos e felinos.

Vermotrix plus baby 20 ml: este vermífugo de largo espectro de atividade é para tratamento de parasitoses provocadas por:
Nematódeos: Ancylostoma braziliense, Ancylostoma caninum, Toxocara canis, Toxocara cati, Toxascaris leonina, Trichuris vulpis, Uncynaria stenocephala.

FrontLine Spray:  é para o combate de infestações de pulgas, carrapatos e piolhos mordedores em cães e gatos. Sua fórmula exclusiva garante eficácia imediata para eliminar os parasitas que já estão no seu pet, além de possuir efeito residual para quebrar o ciclo das pulgas e carrapatos por muito mais tempo, evitando a reinfestação ambiental e proporcionado conforto e segurança.

Enropet: Antibiótico oral palatável de amplo espectro para cães e gatos Fórmula: – Cada comprimido de 50mg contém: Enroflaxacina – 50,0mg. Indicação:  Tratamento de infecções causadas por bactérias gram-negativas e gram-positivas, espiroquetas e micoplasmas. Apresentação: – Cartucho com 4 comprimidos para cães e gatos de até 10kg.

Canex Plus: é um vermífugo oral palatável de amplo espectro para cães. Indicação: Controle e prevenção das infestações por vermes chatos e redondos

Arranhadores e brinquedos importantes para os gatos

Quem tem gatos sabe como eles são únicos e especiais. Alguns são mais tímidos, outros já gostam de aprontar e de conhecer muito bem cada canto da casa. Por isso, para ajudar no bom desenvolvimento de seus gatos é importante investir em dois itens e você vai saber por quê: arranhador e brinquedo.

Qual a importância do arranhador e do brinquedo?

O arranhador tem uma importância no cotidiano da vida dos gatos. Isso porque os gatos desde filhotes sentem uma incrível necessidade de arranhar as unhas. Isso porque elas crescem e os gatos precisam desgastá-las, retirando as camadas superficiais para renovação de suas superfícies.

Por isso, os arranhadores acabam ocupando uma função importante. Além de servir de relaxamento ao arranharem, eles também marcam o seu território. Caso eles não tenham um arranhador vão sentir necessidade de arranhar no sofá, cortinas, tapetes ou até mesmo em outros lugares. Por isso, a importância do arranhador. Tanto para a saúde e bem estar do gato, como também para a boa conservação dos objetos da casa.

O mesmo vale com os brinquedos que também servem de estímulo e distração para os gatos quando estão sozinhos ou longe de seus donos. Por isso, se você não tem estes dois itens é melhor adquirir! Conheça abaixo algumas opções.

Arranhador pop sisal: Que tal um arranhador de ótima qualidade e com preço acessível para seu gato?  Com este arranhador, você distrai o seu gato e mantém ele ocupado, muitas vezes poupando os móveis de arranhões.

Arranhador Flex: Este ótimo arranhador conta com uma bolinha que gira, para entreter o seu gato. Além disto, é feito com excelentes materiais.  A fabricante é American Pets, marca conhecida e consagrada no mercado de produtos Pets.

Brinquedo com ratinhos: Entretenha seu gato com este brinquedo interativo.  Ele aprimora a habilidade de caça e ajuda a exercitar seu gato, além de fortalecer o vínculo entre vocês.

Brinquedo play Cat tuim: Excelente brinquedo para gatos. Com um brinquedo de borboleta em cima, uma pequena grama sintética e um ratinho que roda embaixo, o seu gato irá se divertir.

 

Sofás, caminhas ou casinhas? O que escolher para o gato?

Os gatos gostam de conforto. E se você acostumar o seu gato a ter uma caminha desde pequeno é bem provável que ele irá dormir nela. Claro que a cama do dono ocupa um lugar especial para o gato, mas até para uma boa convivência, se o seu gato tem uma caminha para repousar e dormir, será muito bom.

Se o gato tiver um lugar para dormir isso será também importante para o seu desenvolvimento. Mas o fato é que ele irá apenas dormir neste local se o mesmo for aconchegante e seguro. Por isso, antes de escolher um sofá, caminha ou casinha leve em conta o estilo de seu gato e o que ele gosta mais.

Conforto e limpeza

Não adianta nada você oferecer uma caminha linda para o seu gato se ela está suja. Os gatos são bem higiênicos e se você não realizar a limpeza, ele não vai acabar dormindo nela. Mesmo que você acredite que essa cama seja a mais confortável para ele.

Essa é também uma dica na hora de adquirir uma caminha para ele. Por isso, comprar uma cama que seja fácil de realizar a higiene é uma questão que deve ser levada em conta no momento que o tutor for realizar a compra, pois assim ele pode ver se vai conseguir manter em ordem.

Opções: qual escolher?

Hoje o mercado pet dispõe de uma quantidade maior de opção de cama para o gato. Tanto camas, sofás e casinhas. Mas qual escolher? Vamos apresentar três opções e você pode ver qual de fato será bom para o seu gato.

Cama: A cama é uma opção bem tradicional e muitos gatos se adaptam facilmente a ela.

Casinha: A casinha é mais fechada. Alguns gatos gostam de ficar mais reservados e gostam muito dela. Mas antes de comprar a sua para o seu gato, observe o comportamento  do seu gato e se ele entraria na casinha sem medo.

Sofá: muitos gatos gostam dessa opção também.